POLO TECNOLÓGICO DO OESTE CATARINENSE
Telefone: (49) 3324.4342 Email: deatec@deatec.org.br

NOTÍCIAS DO DEATEC

Fique por dentro de tudo que acontece no setor de TIC no oeste de Santa Catarina relacionado ao DEATEC

Startup de Chapecó vence InovaPork e apresentará sua tecnologia na AveSui EuroTier

11/06/2019 00:00:00

Kemia, associada à Deatec, desenvolveu solução destinada à suinocultura

Com a solução “Tecnologia verde de eletrofloculação e eletro-oxidação para o tratamento de águas residuárias”, a startup Kemia Tratamento de Efluentes foi a vencedora da primeira edição do InovaPork. Associada à Associação Polo Tecnológico do Oeste Catarinense, a empresa teve a melhor avaliação entre as nove finalistas e terá a oportunidade de apresentar sua solução para a suinocultura no Espaço Digital Farming da AveSui EuroTier South America, que ocorrerá em Medianeira, no Paraná, entre os dias 23 e 25 de julho. O Espaço será uma vitrine de tecnologias inovadoras para a cadeia produtiva de proteína animal. A empresa também recebeu classificação direta para a final do Pontes da Inovação, em Brasília, e cursos da Academia Suína, troféu e certificado.

O sócio da Kemia, Ricardo Leidens, frisa que a participação no InovaPork foi uma oportunidade de apresentar para o mercado uma tecnologia para tratamento de dejetos da suinocultura tanto na geração primária quanto nas indústrias. “Hoje isso é um grande gargalo para a ampliação e intensificação da produção na granja e na agroindústria. Nos preparamos, acreditamos na proposta e em toda a equipe envolvida com essa solução que pode contribuir para a ampliação do mercado de carne”.

Fundada em 2016, a Kemia desenvolve soluções para tratamento de efluentes, esgotos e chorume, atuando no projeto, produto, implantação e operação dos sistemas. O objetivo é oferecer um produto/solução para tratamento de efluentes utilizando tecnologias verdes de eletro-oxidação e eletrofloculação no intuito de tornar o processo mais eficaz, ambientalmente correto, de simples operação, econômico e sustentável.

De acordo com Leidens,os métodos tradicionais de tratamento de efluentes geralmente demandam grandes áreas ou elevado consumo de energia elétrica. “O mercado apresenta carência de tecnologias para a remoção de poluentes que conciliem baixo custo, espaço e alta eficiência”. Os sistemas desenvolvidos pela Kemia usam eletrodos específicos. “Esses eletrodos têm princípios ativos que são acionados pela passagem de corrente elétrica para fazer o tratamento”, explica. As principais tecnologias oferecidas são eletrocoagulação/eletrofloculação, eletro-oxidação e eletrofenton.

A proposta da Kemia teve o financiamento do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE), que através do microcrédito, atende importantes demandas comunitárias, além de fomentar a inovação. “O Oeste Catarinense sempre teve um grande reconhecimento pela pujante cadeia agroindustrial. Mas o surgimento de novos empreendimentos, especialmente alicerçados em inovações, permite diversificar a matriz produtiva, ampliando a base de negócios que impulsionam o desenvolvimento local. Investir em ideias inovadoras é prioridade para o nosso banco. Desde 2013 mantemos um programa de estímulo à inovação denominado BRDE Inova, cujos resultados já permitiram o aporte de aproximadamente R$ 700 milhões a ideias inovadora de empresas situadas na Região Sul do País”, comenta o gerente regional Oeste do banco, Paulo Antoniollo.

A Deatec apoia iniciativas que promovam a tecnologia na região. O vice-presidente da entidade, Darlan Segalin, ressalta o apoio dado às startups e salienta que a inovação é também sinônimo de atitude para resolver problemas. “O desenvolvimento de negócios inovadores movimenta a economia regional e proporciona melhor qualidade de vida. Chapecó é um polo de startups que desenvolvem soluções de ponta que atendem as mais distintas áreas em todo o Brasil e no exterior”.

TECNOLOGIAS

O processo de eletrocoagulação e eletrofloculação consiste em levar até o efluente uma corrente elétrica ajustada através de eletrodos metálicos, fazendo com que ocorram reações, onde o coagulante é gerado in loco por meio da oxidação eletrolítica do ânodo, obtendo-se, assim, o controle na liberação do agente coagulante formando flocos que irão flotar ou sedimentar. As vantagens são eficiência imediata, baixa geração de lodo e área de implantação reduzida.

A eletro-oxidação consiste em levar até o efluente uma corrente elétrica ajustada através de eletrodos metálicos, permitindo a formação de radicais com alto poder oxidativo, onde ocorrem várias reações. Dessas se dividem em reações de oxidação direta e indireta. Na oxidação direta a reação oxida diretamente no ânodo, enquanto a indireta forma radicais com alto poder oxidante dos quais se destacam radicais de Hidroxíla ou oxidrila (OH) e cloro ativo. O arranjo dos eletrodos são muito duradouros e mostram uma capacidade de oxidação superior à de outras tecnologias de oxidação avançada. As vantagens são a oxidação da matéria contaminante, desintoxicação/redução de toxidade e melhoria da biodegradabilidade.